BRASIL, Centro-Oeste, GOIANIA, Mulher, de 15 a 19 anos, Portuguese
MSN -

 

   

    Well - Pai
  Raquel - Ruiv@
  Edson
  Mirelle - Mamma
   Alexandre
  Math Santilli
  Web - Manin
  Rogério Feltrin


 

 
 

   

   


 
 
Tudo no mundo, começa com um sim.



Eu tenho dado um tempo. É, tenho me desligado um pouco. Aproveitei as férias pra dar uma refletida, colocar a cabeça no lugar.. Esse tipo de coisa. Eu estava realmente precisando viu? Acho que estava a ponto de surtar. É que eu estava realmente desanimada com tudo. Tudo mesmo! Um amontoado de acontecimentos me deixaram assim. Não foi uma coisa só, foi um conjunto de coisas ruins que foram me derrubando até mesmo sem que eu percebesse. Eu cheguei a duvidar da minha fé se vocês querem mesmo saber. Minhas atitudes sairam do que eu queria e esperava. Estava ciumenta demais, paranóica demais.. Não sei nem mais o que eu deixei escapar. Peço desculpas inclusive.. Descontei coisas que eram minhas em pessoas inocentes, e essa não sou eu. Não mesmo. Por isso essa parada. Essa escapada do eixo. Era mesmo do que eu precisava. Esse ano vai ser realmente difícil, estou bem ciente disso e espero dar conta de tudo que preciso. Muitas responsabilidades, muitas cobranças e eu nem sei se estou preparada. Mas.. Ninguém me perguntou, não é verdade? Eu tenho que dar conta do recado e pronto. Não é questão de escolha, não mesmo. Ah, se eu pudesse escolher.. Melhor nem pensar nisso. Enfim, é isso. Estou me renovando assim como o ano. Espero não deixar a desejar. Espero não decepcionar, não as outras pessoas, mas a mim mesma. Por hoje, é só. Mas vou voltar a escrever. É minha válvula de escape preferida.



Escrito por Isa às 12:42
[   ] [ ]




Em alguns momentos é difícil manter a calma, manter o sorriso no rosto e fingir que não tem nada acontecendo. Será que é pecado se apaixonar pela pessoa errada? E quando isso se repete algumas vezes? Não se o que acontece, de verdade. É normal mesmo que tenhamos algumas experiencias ruins quando se diz respeito ao coração, mas é que está se repetindo tanto que eu chego a pensar que o problema sou eu mesma. Deve ser isso mesmo, sabe? Não sei.. Talvez não seja muito bom mesmo essa mania de me apegar demais. Mas de toda forma, sou eu mesma quem me ferro, logo, está na hora de mudar. Renovar, renascer sempre.



Escrito por Isa às 12:41
[   ] [ ]




A louca

95011946, Joerg Steffens /OJO Images

 

Uma vez, no recreio, comendo um Bis derretido, pensei isso, pela primeira vez: e se eu ficasse louca? 
Vi minhas amigas trocando papéis de cartas, vi uns meninos correndo de testa suada, vi uma professora caminhar como alguém que pensava em alguém que ela encontraria no final do dia, vi tudo isso como se não pudesse ter, ver, ser. E se eu ficasse louca. Que triste para meus pais, que triste para a carteira vazia da escola, que triste para os livros plastificados com a etiqueta que dizia que era eu. Uma estudante, uma garotinha, com família, amigos, presilhas de cabelo, camisas brancas PP com um brasão que trazia um livro e um fogo. Se eu ficasse louca tudo isso seria o quê? Pra onde iriam os materiais e as pessoas e o amor? E se eu ficasse louca? Quem iria me ver babar num canto de um hospital? Existe louco em casa? Mãe ama os loucos? Louco tem amigo? Louco tem livro plastificado? Louco começa e não para mais até acabar? Louco uma vez, louca pra sempre? Converse. Respire. Pense em garotos. Pense em xampus. Vamos. Não fique louca. Mude de assunto. Pense na menina mais bonita do mundo e odeie. Dê nome pra loucura que ela deixa de ser. Sinta dor com nome que assusta menos. Caia na aula de educação física, rale o joelho, sangre, dói menos. Desembarace os cabelos e sinta que problemas se alisam. Faça o papel do Bis virar um barquinho. Isso. Conte uma piada. Se os outros rirem bastante. Se a sua estranheza puder ser amada. Qualquer coisa menos loucura. Pense naquela música da rádio. Não, você não está triste. Uma fofoca e pessoas em volta. Vá até o banheiro retocar o batom da moranguinho. O professor mais ou menos bonito, por ele. Os outros. Olhe. Os outros. Vamos. Que data mesmo? Da guerra. Que data? Qualquer coisa. Menos louca. O hino. Sujou um pouquinho da meia. Limpinha. Dê nome aos problemas. Problemas com nomes são problemas e não loucuras. Sempre evitando que ela saia. Sempre segurando. Não caia dura no meio do mundo. Não se chacoalhe no meio do pátio. Não vomite só porque sei lá o que é isso impossível de digerir e nem quero saber. Não abrace sem fim porque é preciso sentir o vento com o peito sozinho. Terrível mas tem banho quente pra distrair. Não espanque, não soque, não chore sangue, não arranque a língua, não grite, não acabe. Siga. Sorria. Mais uma prova. Mais uma festa. Mais um garoto. Sempre um pavor escondido mas nem era nada disso. Sempre uma tristeza abafada mas nem era nada disso. Sempre uma alegria exagerada que ninguém acolhe e o silêncio depois, fazendo curativos na pureza criando cascas. Um dia você será. O quê? Normal. Um dia você será. Normal. Um dia. Enquanto isso, se distraia como a professora que ama, as crianças que trocam papéis de cartas, os garotos que correm. Eles estão se distraindo também e pensando “olha, uma menina comendo Bis”. 

Tati Bernadi



Escrito por Isa às 21:35
[   ] [ ]




“Eu que sou tão inconstante,você tão permanente..

 

 

É tempo novo. Sinto isso cada dia mais. E essas mudanças de agora me exigem mais maturidade que nunca. As coisas tendem a continuar assim, nessa mudança que me cobra. As mudanças na escola, nos amigos, nos lugares a serem freqüentados, nas vontades, nos gostos, na cabeça, nos amores.. Na vida. Sinto como se eu estivesse num ponto em que só há como subir.Cheguei ao fundo do buraco e já dei um salto pra começar a subir e acho que deu certo ein?! Estou gostando. Tem muita coisa ainda pra se acertar, mas tá bom pra um começo. Sinto cheiro novo no ar, cheiro de novidade, cheiro de coisa boa. Minhas emoções estão a flor da pele. É verdade, sinto isso cada vez mais. Eu te odeio agora, mas dois segundos depois te amo. Estou morrendo de raiva mas agorinha começo a rir. Estou bem e logo fico mal. Estou mais meiga e mais implicante. Tudo me abala e nada me abala. Estou num processo de reconstrução acredito eu. Não importa meu humor, meu momento.. Estou melhor comigo,e pior também. Rs. Complexo né? Mas quer saber? To nem aí. É isso e PRONTO! Quem sabe isso muda sendo eu tão inconstante.. Ou não né. E fique tranqüilo, não vou roubar teu tempo eu já roubei demais. 



"Não sei bem pra onde vou, mas agora eu vou. "

"Talvez eu passe um tempo longe da cidade.. Talvez eu volte cedo, talvez não volte mais!"


Ah, só pra constar.. Estou ficando cada dia mais fanática pela Ana Carolina e eu não me importo com sua opinião sobre isso, obrigada. hahaha

 



Escrito por Isa às 21:58
[   ] [ ]




 

Meu coração está aos pulos!
Quantas vezes minha esperança será posta à prova?
Por quantas provas terá ela que passar?
Tudo isso que está aí no ar, malas, cuecas que voam
entupidas de dinheiro, do meu dinheiro, que reservo
duramente para educar os meninos mais pobres que eu,
para cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus
pais, esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e
eu não posso mais.
Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança
vai ser posta à prova? Quantas vezes minha esperança
vai esperar no cais?
É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o
aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus
brasileiros venha quebrar no nosso nariz.
Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada ao
conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e
dos justos que os precederam: "Não roubarás", "Devolva
o lápis do coleguinha",
" Esse apontador não é seu, minha filhinha".
Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido
que escutar.
Até habeas corpus preventivo, coisa da qual nunca
tinha visto falar e sobre a qual minha pobre lógica
ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao
culpado interessará.
Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do
meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear:
mais honesta ainda vou ficar.
Só de sacanagem!
Dirão: "Deixa de ser boba, desde Cabral que aqui todo
o mundo rouba" e eu vou dizer: Não importa, será esse
o meu carnaval, vou confiar mais e outra vez. Eu, meu
irmão, meu filho e meus amigos, vamos pagar limpo a
quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês.
Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o
escambau.
Dirão: "É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde
o primeiro homem que veio de Portugal".
Eu direi: Não admito, minha esperança é imortal.
Eu repito, ouviram? IMORTAL!
Sei que não dá para mudar o começo mas, se a gente
quiser, vai dá para mudar o final!

(Elisa Lucinda - Só de sacanagem )



Escrito por Isa às 20:38
[   ] [ ]




96270805, Susie Adams /Flickr

Aqui
Eu nunca disse que iria ser
A pessoa certa pra você
Mas sou eu quem te adora 
Se fico um tempo sem te procurar
É pra saudade nos aproximar
E eu já não vejo a hora

Eu não consigo esconder
Certo ou errado, eu quero ter você
Você sabe que eu não sei jogar 
Não é meu dom representar
Não dá pra disfarçar 
Eu tento aparentar frieza mas não dá
É como uma represa pronta pra jorrar
Querendo iluminar
A estrada, a casa, o quarto onde você está
Não dá pra ocultar
Algo preso quer sair do meu olhar
Atravessar montanhas e te alcançar
Tocar o seu olhar 
Te fazer me enxergar e se enxergar em mim

Aqui
Agora que você parece não ligar
Que já não pensa e já não quer pensar
Dizendo que não sente nada
Estou lembrando menos de você
Falta pouco pra me convencer
Que sou a pessoa errada

Eu não consigo esconder
Certo ou errado, eu quero ter você
Você sabe que eu não sei jogar 
Não é meu dom representar
Não dá pra disfarçar 
Eu tento aparentar frieza mas não dá
É como uma represa pronta pra jorrar
Querendo iluminar
A estrada, a casa, o quarto onde você está
Não dá pra ocultar
Algo preso quer sair do meu olhar
Atravessar montanhas e te alcançar
Tocar o seu olhar 
Te fazer me enxergar e se enxergar em mim.

( Aqui - Ana Carolina )



Escrito por Isa às 15:27
[   ] [ ]




 

95499063, Pete Mcbride /National Geographic

Um dia você acorda e descobre que tudo está diferente, que tudo mudou.

Você descobre que seu coração já não bate tão depressa, descobre que o motivo da insônia mudou, descobre que já não se preocupa mais. Descobre  que aqueles problemas acabaram, descobre que as lágrimas também vêm com a felicidade. Um dia você acorda e deseja ter tudo aquilo de novo, ao menos uma vez. Um dia você acorda e descobre que esqueceu, e por incrível que pareça, você continua forte e inteira. E, então, você descobre que não precisa de nenhum esforço pra sorrir.

 

"Você pode me ver do jeito que quiser, eu não vou fazer esforço pra te contraria.

De tantas mil maneiras que eu posso ser, estou certa que uma delas vai te agradar.

Porque eu sou feita pro amor da cabeça aos pés e não faço outra coisa do que me doar."

(Ana Carolina - Rosas )



Escrito por Isa às 22:01
[   ] [ ]




 

Eu disse que postaria mais e vou cumprir minha promessa.

Mesmo que não seja algo interessante, algo que vocês queiram ler..

Agora vou escrever pra mim mesma, como uma forma de desabafo..

Que não é por nada não, mais eu ando precisando disso viu, rs. O tempo

tem faltado, e a correria não deixa brechas.

Mas eu tenho que parar, tive que parar. Meu primeiro mês de aula, e já

parecem 6 meses. Anda tudo muito desgastante, e eu não consigo tornar isso

tudo divertido, e não é falta de tentar.

Os finais de semana não servem mais pra descanso. Agora é só estudar,

fazer tarefa, virar um robô, ajudar sua mãe sempre que ela precisa, ter que

fazer cara boa pra aquilo que te desagrada, se calar quando o que você mais

quer é gritar e xingar. Não, eu não estou ficando doida, não ainda. Eu vou

conseguir dar a volta por cima e me acostumar com esse novo 'mundo'. É,

pra mim é um mundo diferente e que não me agrada muito. Chega. Desculpem-me.

Não queria reclamar da vida.. das coisas. Pode ser bobeira minha mais, agora é isso. 

Como disse, precisava desabafar. Amanhã ou depois posto coisas mais alegres,

porque meus dias vão ser melhores. AAAAH vão ter que ser! rs. 

Bem, a música de hoje é da Pitty.. É das antigas, já postei aqui faz muito tempo..

Maas, hoje, é minha música.

Beeijo pra vocês! 


Te vejo errando e isso não é pecado,
Exceto quando faz outra pessoa sangrar,
Te vejo sonhando e isso dá medo,
Perdido num mundo que não dá pra entrar
Você está saindo da minha vida
E parece que vai demorar
Se não souber voltar, ao menos mande notícias
Você acha que eu sou louca
Mas tudo vai se encaixar

Tô aproveitando cada segundo
Antes que isso aqui vire uma tragédia

E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu

E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu

Você tá sempre indo e vindo, tudo bem
Dessa vez eu já vesti minha armadura
E mesmo que nada funcione
Eu estarei de pé, de queixo erguido
Depois você me vê vermelha e acha graça
Mas eu não ficaria bem na sua estante

Tô aproveitando cada segundo
Antes que isso aqui vire uma tragédia

E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu

E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu

Só por hoje não quero mais te ver, só por hoje não vou tomar minha dose de você
Cansei de chorar feridas que não se fecham, não se curam
E essa abstinência uma hora vai passar

( Pitty - Na sua estante )



Escrito por Isa às 20:17
[   ] [ ]




89191487, Paul Jones /Photographer's Choice

 

Quero escrever mais, postar mais. Acho que tem a ver com a minha vontade de viver mais, arriscar mais. Chega de complicar tudo, quero simplificar. E se quiser arrumar problema, não vai ser comigo não tá? Quero mais festa, mais alegria, mais estudos ( pra gerar felicidade daqui dois anos :D  ), quero mais diversão em todos os ângulos que possam existir. 


E vai aqui um texto da Morango, só porque ela arrasa (: 

Logo postarei novamente. Beeijos a todos. 

 

A Viagem

Através da janela eu espiava as estrelas que brilhavam cintilantes naquele dia de céu escuro. Filmes desconexos passavam apressados pela cabeça, e a paisagem lá fora, as árvores do cerrado que eu tanto apreciara das outras vezes, se afiguravam sombrias, emudecidas. Nesses momentos é comum refletir sobre a vida, fazer planos, ter saudade dos que ficaram na rodoviária com lágrimas nos olhos.

O passageiro ao meu lado abre e começa a devorar o pacote de biscoitos de polvilho, não sem antes ter-me oferecido alguns, com a boca já cheia. A criança inquieta que viajava ao lado da mãe, nas poltronas da frente, também decide abrir o saquinho de batatas; quase ao mesmo tempo em que o rapaz de boné que dormira com o disc man ligado despertou e desembrulhou logo um bombom. Aquele silêncio de morte fora interrompido pelos insistentes maxilares daqueles viajantes. Meus pensamentos à mil e meu estômago embrulhando com todo aquele cheiro de comida industrializada.

Eu ali, com vontade de chorar por todos os motivos do mundo. Um nó prende a voz na garganta. Não me permito esboçar nenhuma dor ali, no meio de tantos desconhecidos. Uma possibilidade se apresenta de súbito: e se outra fatalidade acontecesse naquele exato momento? Se houvesse uma colisão entre o ônibus e um outro veículo de dezenas de toneladas?

Nem uma nuvem no céu. Após a tétrica viagem mental que fiz, faço questão de esfregar bem os olhos e certificar-me de que todos estão bem. Vivos. Respirando. Numa das poltronas lá na frente um senhor muito bem vestido lê. Amaioria apenas dorme. Sou tomada de novo pelo mesmo pensamento pavoroso; se algo acontecesse e morrêssemos todos juntos, para onde iríamos, afinal? Seria possível encontrar os entes queridos que já partiram há muito? E os que partiram há pouco, de surpresa, cuja perda parece nem ter sido registrada pelos sentidos, que parecem anestesiados? Há de fato alguém nos esperando em algum lugar? Com vestimentas claras, feições angelicais e tempo infinito para nos explicar pacientemente os mistérios inacessíveis aos mortais da Terra?

Não tenho medo da morte. Tenho medo da solidão. Não essa solidão a que já nos acostumamos; de ver rostos mas desconhecer as identidades, os desejos, os defeitos, a essência. Acostumei-me a ver sem enxergar. Todos nos acostumamos. Falo da solidão absoluta; da completa impossibilidade de comunicar-me; manifestar sentimentos; tocar e poder perceber as coisas. Choro. Começo a soluçar. Como criança, exteriorizo todo o pesar da perda, e a angústia que fustigava meu peito. Olhares discretos e prestativos são dirigidos a mim. Não pronunciei palavra, mas foi como se naquele momento todos ali soubessem o motivo exato do meu choro; complacentes, como se dispusessem-se a dividir aquela dor comigo.

Da janela entreaberta um vento calmo toca meu rosto. Fui placidamente respondida. Nunca estamos sozinhos.

Ana Angélica Martins



Escrito por Isa às 20:12
[   ] [ ]




 

Nem toda palavra é aquilo que o dicionário diz
Nem todo pedaço de pedra
Se parece com tijolo ou com pedra de giz

Avião parece passarinho
Que não sabe bater asa
Passarinho voando longe
Parece borboleta que fugiu de casa

Borboleta parece flor
Que o vento tirou pra dançar
Flor parece a gente
Pois somos semente do que ainda virá

A gente parece formiga
Lá de cima do avião
O céu parece um chão de areia
Parece descanso pra minha oração

A nuvem parece fumaça
Tem gente que acha que ela é algodão
Algodão as vezes é doce
Mas as vezes é doce não

Sonho parece verdade
Quando a gente esquece de acordar
E o dia parece metade
Quando a gente acorda e esquece de levantar
Ah e o mundo é perfeito
E o mundo é perfeito
E o mundo é perfeito

Eu não pareco meu pai
Nem pareco com meu irmão
Sei que toda mãe é santa
Mas a incerteza traz inspiração

Tem beijo que parece mordida
Tem mordida que parece carinho
Tem carinho que parece briga
Tem briga que aparece pra trazer sorriso

Tem sorriso que parece choro
Tem choro que é por alegria
Tem dia que parece noite
E a tristeza parece poesia

Tem motivo pra viver de novo
Tem o novo que quer ter motivo
Tem aquele que parece feio
Mas o coração nos diz que é o mais bonito

Descobrir o verdadeiro sentido das coisas
É querer saber demais
Querer saber demais

Sonho parece verdade
Quando a gente esquece de acordar
E o dia parece metade
Quando a gente acorda e esquece de levantar
Mas o sonho
Sonho parece verdade
Quando a gente esquece de acordar
E o dia parece metade
Quando a gente acorda e esquece de levantar
Ah e o mundo é perfeito
Mas o mundo é perfeito
O mundo é perfeito...

( Sonho de uma flauta - O Teatro Mágico ) 



Escrito por Isa às 20:58
[   ] [ ]




 

 

Tudo que acontece ao nosso redor, coisas boas, coisas ruins..

Tudo que acontece, é necessário. Mesmo quando batemos o pé, dizemos que não merecemos aquilo, é necessário.

Se vivêssemos só de coisas boas, nem teria tanta graça assim. Os momentos ruins vem pra enfatizar os bons, é

assim que eu penso. Não é nada fácil agora, mais vai passar. Não digo que vai melhorar.. Mas vai passar.

 

Aqui dentro não é tão tranqüilo quanto parece, mais é coisa demais se passando ao mesmo tempo e não me convém

desmoronar agora, eu não posso. Não posso deixar meus amigos na mão, não posso me deixar na mão. Há algo mais

forte que meu profundo desespero, talvez a esperança, a fé ou seja lá o que for, continua sendo bem-vindo.

            Um amigo “desaparecido”, um bisavô que faleceu ainda essa semana, a mãe que insiste em não entender seus motivos por agir daquele jeito,

aquele menino que não dá a mínima pra você e você morre por ele.. Fora as preocupações diárias de saber se sua mãe e seu padrasto pararam finalmente de brigar.. 

            Vai passar.. Vai passar.. Vai passar..

 

 

PS: Confuso e incompleto, assim como eu. 



Escrito por Isa às 16:02
[   ] [ ]




 

 

O Milagre das águas

Mesmo antes de um rio cair no mar, ele treme de medo.

Olha para trás, para toda jornada;

Observa os cumes das montanhas,

lembra dos vales longos caminhos sinuosos atraveis das florestas,

e ver a sua frente um mar tão vasto que entrar nele nada mais é do que desaparecer para sempre.

Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar.

Ninguém pode voltar.

Voltar não é possivel na existência

Você pode apenas ir.

O rio precisa se arriscar e entrar no mar.

E somente quando se despejar nele, é que o medo desaparece, porque apenas então o rio saberá que não se trata de sumir no mar.

Mas tornar-se mar.

 

Ps: Edson, adorei o poema.. De verdade. E aqui está ele como o prometido.. Obrigada por tudo. E olha, vou fazer o possível pra nossas conversas quebrarem as barreiras da internet. Rs. Você está entre meus amigos, sempre aqui no coração tá? 


 



Escrito por Isa às 23:57
[   ] [ ]




 

E vai chegando novamente a hora de desejar feliz natal,

feliz ano novo (  e antes disso me desejar feliz aniversário claro,

 rs ). Pois é, o ano já está acabando de novo eu nem se quer percebi.

Parece que o tempo passa cada vez mais despercebido por mim, cada

 vez mais rápido. E... Por favor, alguém me explica onde meu tempo

foi parar? É, ele escapou das minhas mãos e só percebi agora. Demorei,

 sei disso... Mas antes tarde do que nunca não é mesmo?

            Não posso deixar de falar de expectativas. É só o que me cerca

ultimamente, expectativas e mais expectativas. Duas peças pela frente

( Te amo cerrado e A Bela adormecida ), o vestibular ( que mesmo não

sendo o meu, é o de alguns amigos bem importantes), meu aniversário

vem chegando e bem próximos a ele o natal. Fora minha viagem que, não

posso deixar de demonstrar minha empolgação e ansiedade afinal... Vou

de fato conhecer a praia, conhecer Fortaleza e andar de avião pela primeira

vez! E quando eu já estiver na tão esperada praia, vem também o reveillon e...

Ufa! Acho que é só. Nesse ano claro, porque o fato de eu estar indo pro

segundo ano não me deixa muito tranqüila, mais nisso eu penso depois afinal:

aff, ninguém merece. Quero pensar só em coisas boas, e me concentrar.

Me concentrar no que realmente importa agora e ir. Ir atrás das minhas

vontades, sonhos, compromissos e fechar então com chave de ouro esse ano

 que vamos combinar, não foi nada fácil.. Pelo menos pra mim. Sei que vou

 sentir saudade, mais meu, passou da hora de 2009 acabar, já deu! 

            Bem, certamente volto a escrever quando passarem alguns desses

eventos e saberão de tudo. Por hora, é só. 



Escrito por Isa às 20:19
[   ] [ ]




 

Preciso poder contar com você
ter outras eternidades ao seu lado
e me divertir com os caprichos da nossa vontade

Preciso poder explodir nosso big bang
sempre que for necessário um novo começo
ou até mesmo pelo prazer da novidade

Poder te olhar e já entender
sem ser preciso desdizer
nem dizer toda verdade

Poder errar e não me esconder
não ter que ter nenhum poder
e poder não ter

será querer demais ?
será pedir demais ?
será poder demais ?

Preciso poder gritar com você
e preservar o respeito em potes transparentes
etiquetados com o prazo de validade

Preciso poder me satisfazer
por estar por perto, mesmo afastado
e confiar, na certeza da cumplicidade

Preciso poder ser impreciso.

 

( Preciso poder -  Jay Vaquer )



Escrito por Isa às 16:10
[   ] [ ]




E quando eu estiver triste,
Simplesmente me abrace.
E quando eu estiver louco,
Subitamente se afaste.
E quando eu estiver fogo,
Suavemente se encaixe..

E quando eu estiver triste,
Simplesmente me abrace.
E quando eu estiver louco,
Subitamente se afaste.
E quando eu estiver bobo,
Sutilmente disfarce..

Mas quando eu estiver morto,
Suplico que não me mate não
Dentro de ti
Dentro de ti...

Mesmo que o mundo
Acabe enfim
Dentro de tudo
Que cabe em ti.

( Sutilmente - Skank )



Escrito por Isa às 14:42
[   ] [ ]





[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]